26 de março de 2014

Cartografia

EDIÇÃO 012

 
Cartografia é uma técnica de traçado de cartas geográficas.
 
MOVIMENTO DA TERRA
 
A translação é o movimento da Terra em torno do Sol. Ela corresponde a um período de 1 ano ou o mesmo que 365 dias.
 
A cada quatro anos, nós temos um ano bissexto, isto é, de 366 dias. Observe a imagem apenas como exemplo:
 
 
TRÓPICOS
 
Há dois trópicos principais: o trópico de câncer e o trópico de capricórnio. Veja na imagem:
 
O trópico de câncer, portanto, corta os países do norte do globo.
O trópico de capricórnio, portanto, corta os países do sul do globo.
 
Logo, o trópico de câncer e capricórnio estão em lados opostos em relação a linha do equador.
 
Observe agora a imagem:
 
 
Nela nós temos uma representação de solstício e equinócio.
 
Como podemos ver, quando em um hemisfério está acontecendo uma estação do ano; no outro, acontece a estação oposta.
 
Enquanto no Brasil, um país do hemisfério sul, faz calor em dezembro por estarmos no verão; nos Estados Unidos, um país do hemisfério norte, faz frio devido ao inverno.
 
Já em junho, quando nos Estados Unidos, acontece o verão, aqui acontece o inverno.
 
Enquanto na Argentina, um país do hemisfério sul, acontece o outono em março; no Canadá, um país do hemisfério norte, está acontecendo a primavera.
 
Já em setembro, quando no Canadá, acontece o outono, na Argentina acontece a primavera.
 
E assim por diante, ou seja, nós poderíamos citar diferentes países do hemisfério norte e sul que o raciocínio seria o mesmo.
 
Concluindo, solstício é a direção do sol no espaço quando ele aparece em seu ponto mais distante norte ou sul entre as estrelas. No equinócio, o sol atinge com a mesma intensidade os trópicos de câncer e capricórnio.
 
ROTAÇÃO
 
Rotação é o movimento da Terra em torno dela mesma.
 
Observe a imagem:
 
 
 
E como já falamos no início, translação é que é o movimento que a Terra faz em torno do Sol.
 
FUNCIONAMENTO DA BÚSSOLA
 
Como sabemos, a bússola é um aparelho utilizado na navegação e orientação. Essa orientação se dá por meio de propriedades magnéticas. A fim de entendermos melhor, é como se na Terra houvesse um imã magnético em seu centro. A orientação da bússola, portanto, dar-se-ia devido à esse campo magnético terrestre.
 
Observe a imagem:
 
 
Como podemos notar, os polos magnéticos estão invertidos em relação aos polos geográficos. Ou seja, para o polo norte geográfico está o polo sul magnético e, para o polo sul geográfico, está o polo norte magnético.
 
Vale ainda dizer que, o norte magnético é a direção determinada pela agulha magnética de uma bússola, orientada segundo o campo magnético natural da Terra. O polo magnético, entretanto, não tem natureza fixa, ou seja, varia no tempo e no espaço. Sendo que, o ângulo formado entre o polo magnético e o polo geográfico é chamado de declinação magnética.
 
Espero que tenham conseguido capitar a ideia, mas compreendo que este assunto de "funcionamento da bússola" pode requerer uma explicação mais detalhada. Porém, este assunto na parte de cartografia, não necessariamente é algo de importância saber para o ENEM.
 
FUNCIONAMENTO DO GPS
 
Já o GPS (Global Positioning System) ou sistema de posicionamento global em português, tem o seu funcionamento através de satélites. O satélite fornece a um aparelho receptor móvel GPS ou com função GPS a sua respectiva localização.
 
COORDENADAS GEOGRÁFICAS
 
É com base nas coordenadas geográficas, baseada em valores numéricos definidos pela latitude e longitude, que podemos definir a posição de um ponto qualquer na superfície da Terra. Como ponto de origem para as latitudes, temos o Equador. E como ponto de origem para as longitudes, temos o Meridiano de Greenwich. Observe a imagem apenas representativa:
 
 
Desculpem se o desenho não ficou tão bom, rsrs, mas como já disse em outras postagens, não sou um desenhista profissional.
 
(!) Com base no que vimos, vamos nos exercitar um pouco sobre coordenadas geográficas. Dê as coordenadas geográficas (latitude e longitude) do navio na imagem abaixo. Se não souber, pule para a resolução com a resposta, ela virá logo abaixo. Lembre-se que é recomendável desenhar os desenhos num caderno ou folha para ajudar no entendimento e memorização, porém, colorir, no caso, será perda de tempo.
 
 
Agora que você já tentou, vamos à resolução:
 
Para melhor visualizar, considere termos que talvez sejam mais comuns no seu dia-dia. Latitude vem a ser largura e longitude vem a ser comprimento. Portanto:
 
 
ANTÍPODA
 
Antípoda é o oposto.
 
Ou seja, o oposto de 60º N é 60º S. Logo, o oposto de 30º S é 30º N. Considere N: Norte e S: Sul.
 
Agora, quando se trata de dar a antípoda de um grau oeste ou leste, a regra é um pouco diferente. Não basta apenas inverter o horizonte. Veja no exemplo abaixo como fazemos para descobrir a antípoda de 120º O:
 
Antípoda 120º O é: (180º - 120º) = 60º L
 
Isto é, a antípoda de 120º oeste não é 120º leste, mas sim 60º leste.
 
Resumindo:
 
Quando um exercício pedir a antípoda de S (Sul) e N (Norte), basta apenas inverter. Quando um exercício pedir a antípoda de L (Leste) ou O (Oeste) tem que calcular (180º - O ou L).
 
FUSO HORÁRIO
 
Fuso horário é o mesmo que faixa de hora. Portanto, há 24 faixas de horas no mundo. Observe a imagem apenas representativa.
 
 
Portanto:
 
1 fuso é o mesmo que 1 hora.
1 fuso corresponde a 15º de longitude.
1 volta completa da Terra tem 360º.
1 dia tem 24 horas.
 
De posse dessas informações, vamos aos passos para podermos calcular fusos horários.
 
1º Passo
 
Hemisférios iguais: subtrai
Hemisférios diferentes: soma
 
2º Passo
 
Divida o valor encontrado no passo anterior por 15º.
 
3º Passo
 
Andar com os graus para a direita, adianta-se o relógio (+).
Andar com os graus para a esquerda, atrasa-se o relógio (-).
 
Se para você, as regras ainda não ficaram claras, vamos ao primeiro exemplo:
 
1) Se na cidade "A", localizada a 75º O, são 10 horas; na cidade "B", localizada a 30º L, são quantas horas?
 
 
Continuando:
 
 
A resposta, então, é:
 
 
Achou a resolução um pouco grande demais ou ainda não entendeu? Tente relê-la. De qualquer jeito, abaixo nós teremos alguns exercícios sobre fuso horário. Antes, entretanto, acho válido dizer algumas coisas. Fuso horário é mais uma daquelas matérias que requer, assim como o caso de matemática e física, prática constante. Na verdade, toda matéria que você tem que saber as regras (teoria) e como aplica-las (prática) requer uma repetição periódica do conteúdo para a dominação e memorização do mesmo. Agora, se fuso horário pode cair no ENEM? Pode. Não necessariamente quer dizer que vá cair! Assim como eu já falei sobre isso numa postagem de dica pessoal, o ENEM é uma "caixa de surpresas". É verdade que algumas matérias caem com mais frequência, mas todo ano nas poucas questões para cada disciplina de Ciências Humanas e de Ciências da Natureza, aparecem assuntos diferentes. Portanto, o melhor pode ser estudar, com qualidade, a maioria dos conteúdos.
 
Vamos então à prática de mais 8 exercícios de fuso horário. Alguns deles são casos especiais, os quais estarão com uma explicação na resolução. Os demais terão apenas a resolução. Você, como já sabe, precisa de lápis ou lapiseira, borracha e caderno ou papel. Mesmo sendo geografia, é bom usar a calculadora apenas para conferir cálculos, pois, assim, você continua a treinar matemática e na prova é proibido o uso de calculadora. A resposta estará abaixo dos exercícios.
 
(!) Dê as horas da segunda cidade em cada um dos casos. Os casos são apenas simbólicos.
 
1)
SÃO PAULO 90º L são 18:00h
ISTAMBUL   45º O são _____
 
2)
LOS ANGELES 105º O são 10:00h
NOVA YORK      60º O são ______
 
3)
TÓQUIO      135º L são 12:00h
SÃO PAULO 90º L são _____
 
4)
FERNANDO DE NORONHA 30º O são 15:00h
LIMA                                        90º O são ______
 
5)
LISBOA   15º L são 8:00h
SIDNEY 120º L são _____
 
6)
ISTAMBUL 45º O são 20:00h
LONDRES     0º     são _____
 
7)
ISTAMBUL 45º O são 20:00h do dia 27/04
PEQUIM    120º L  são ________________
 
8)
TÓQUIO     135º L são 8:00h do dia 25/12
ISTAMBUL 45º O são _______________
 
Agora que você já tentou, vamos à resolução:
 
1)
SÃO PAULO 90º L são 18:00h
ISTAMBUL   45º O são  9:00h
 
2)
LOS ANGELES 105º O são 10:00h
NOVA YORK      60º O são 13:00h
Observe que, neste caso, as duas cidades estavam no mesmo hemisfério, ou seja, à oeste. E, no caso, a cidade a qual queríamos saber as horas, estava à direita da cidade que tínhamos a hora, ou seja, Nova York estava à direita de Los Angeles. Portanto, como tivemos que andar com os graus para a direita, tivemos que adiantar o relógio.
 
3)
TÓQUIO      135º L são 12:00h
SÃO PAULO 90º L são   9:00h
Observe que, neste caso, as duas cidades estavam no mesmo hemisfério, ou seja, à leste. E, no caso, a cidade a qual queríamos saber as horas, estava à esquerda da cidade que tínhamos a hora, ou seja, São Paulo estava à esquerda de Tóquio. Portanto, como tivemos que andar com os graus para a esquerda, tivemos que atrasar o relógio.
 
4)
FERNANDO DE NORONHA 30º O são 15:00h
LIMA                                        90º O são 11:00h
Este é mais um caso em que as duas cidades estavam no mesmo hemisfério, mas já explicamos sobre isso nas resoluções dos exercícios 2 e 3. Vamos agora nos atentar para um fato novo. Na geografia, e no caso de fusos horários, não existe graus negativos, portanto, desconsideramos a regra matemática.
 
5)
LISBOA   15º L são 8:00h
SIDNEY 120º L são 15:00h
 
Novamente, como vimos na resolução do exercício 4, desprezamos graus negativos.
 
6)
ISTAMBUL 45º O são 20:00h
LONDRES     0º     são 23:00h
Eis que temos aqui uma pegadinha. Um caso à parte! Lembra do meridiano de Greenwich? Greenwich é uma localidade em Londres, Reino Unido. Essa localidade tem 0º graus dividindo o mundo em duas partes. A fim de você entender melhor, veja a imagem:
 
Portanto, 0º não é leste, nem oeste. Daí, nem subtraímos, nem somamos no caso do 1º passo, uma vez que zero graus não tem um hemisfério.
 
7)
ISTAMBUL 45º O são 20:00h do dia 27/04
PEQUIM    120º L  são 07:00h do dia 28/04
Como queríamos saber a hora em Pequim, tivemos que andar com os graus para a direita, uma vez que Istambul, cidade que sabíamos a hora, estava à sua esquerda. Ao andarmos com os graus para a direita, obedecendo ao 3º passo, tivemos que adiantar o relógio. Mas foi aí que uma nova situação apareceu, certo? Sabemos que um dia tem no máximo 24 horas, portanto, 31 horas corresponde a um dia (24 horas) mais algumas horas. Para sabermos quantas eram essas horas a mais, bastava então subtrair 31 horas por 24 horas. Achamos o restante de horas que eram 7 horas. Portanto, se em Istambul, nas condições do exercício dado, era 20h do dia 27/04, em Pequim, são 7 horas do outro dia.
 
8)
TÓQUIO     135º L são 8:00h do dia 25/12
ISTAMBUL 45º O são 20:00h do dia 24/12
Um caso na mesma "linha" de entendimento da resolução do exercício 7. Aqui, entretanto, ao invés de acrescermos um dia, tivemos que retroceder um dia. Isso se deu porque queríamos saber a hora em Istambul que, por estar à esquerda de Tóquio, obedecendo ao 3º passo, era necessário atrasar o relógio. Ao subtrairmos o horário de Tóquio (8:00 horas) pelos 12 fusos encontrados no 2º passo, nós achamos - 4: 00h. Se é "menos quatro horas", então, o horário em Istambul está quatro horas antes do horário em Tóquio. Para isso, entretanto, consideramos o dia. Logo, recuamos de 25/12 para 24/12, ao subtrairmos 24 horas por 4 horas, pois voltamos um dia antes. É como se passássemos das meia-noite para as oito horas da noite.
 
Então, essa postagem (aula) ficou muito grande? Bom, ainda não terminamos todo o conteúdo relacionado à cartografia, mas vou finalizar essa edição aqui. Fique atento à próxima edição da disciplina geografia, pois eu concluirei os conteúdos relativos à essa matéria de cartografia nela, ok? Bons estudos e boa sorte!

Nenhum comentário:

Postar um comentário