13 de novembro de 2011

Regimes totalitários na Europa (2ª Parte)

 Após o término da Primeira Guerra Mundial, vários países europeus estavam mergulhados em preocupantes crises econômicas que se traduziam no alto número de desempregados e refletia-se nas movimentações sociais. Tal situação levaria a guinada de governos totalitários, entre eles, o nazismo na Alemanha.

Contexto social da Alemanha no período entre-guerras

• Diante de uma crise econômica semelhante à da Itália, a Alemanha enfrentou pós-Primeira Guerra Mundial duras realidades sociais. Entre elas, estava a alta taxa de desemprego, a desestruturação da economia e a ascensão de lutas sociais, mas principalmente, a Alemanha estava posta às condições do Tratado de Versalhes, que foi firmado ao fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), e impunha aos alemães rigorosas condições:

- Altas indenizações que deveriam ser pagas pelos alemães aos aliados
- Perda de todas as suas colônias que seriam entregues à Grã-Bretanha e à França
- Devolução das regiões da Alsácia e da Lorena à França
- Desmilitarização da Renânia
- Regiões de carvão do Sarre passariam a ser exploradas pela França
- E diminuição do exército alemão a um efetivo de 100 mil soldados, entre outras condições.

O surgimento dos partidos políticos radicais na Alemanha

• Nesse contexto social e econômico de grandes dificuldades, surgiram na Alemanha três partidos com ideais distintos. Eram eles o Partido Social-Democrata e o PCA – Partido Comunista Alemão, de esquerda, e o Partido Nazista (National-Sozialistischered, Deutsche Arbeiterpartei, em português, Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães), de extrema-direita.

• Semelhante à situação política na Itália, a burguesia apoiou o Partido Nazista, que era liderado por Adolf Hitler. De 1920 a 1922, o Partido Nazista reprimiu as manifestações dos trabalhadores de sindicatos e membros de partidos de esquerda, utilizando-se das S.A (Tropas de Assalto), também conhecidas como “Camisas Pardas”. Dessa forma, os nazistas foram ascendendo-se na Alemanha.

Rumo ao poder nazista

• Após um período de tempo, a Alemanha começou a dar sinais de recuperação da crise em que estava acometida, mas tal recuperação foi prejudicada pela crise de 1929. Um ano depois, ocorreram as eleições para o Reichtag, que deu ao partido nazista 107 cadeiras no Parlamento. Reich significa em alemão Império, Estado. Em 1932, a Social-Democracia obteve bons números na política, contando com o apoio de 20% dos eleitores, enquanto o Partido Comunista Alemão obteve 14,6% de apoio da sociedade alemã. Embora a união dos dois grupos, socialista e comunista, talvez pudesse evitar a tomada do poder pelos nazistas, a Internacional Comunista havia advertido o PCA para não alinhar-se a qualquer parceria política com os social-democratas, considerando-os como social-fascismo.

• O enfraquecimento das correntes políticas comunistas e socialistas favoreceu a subida dos nazistas ao poder. Isso também ocorreu devido ao apoio dado pela alta burguesia aos nazistas que, pressionou o presidente Paul von Hindenburg a indicar Hitler como primeiro-ministro em 1933. Logo após Hitler ter subido ao poder como primeiro-ministro, o prédio do Reichstag (Parlamento) foi incendiado, sob suspeita de terem sido os comunistas os criminosos. Com isso, Hitler e seus aliados nazistas impuseram uma série de medidas para consolidar na Alemanha um sistema totalitário, o que veio a se concretizar com a morte do Hindenburg em 1934, quando a elite e os chefes militares aprovaram a ascensão de Hitler como novo líder supremo da Alemanha.

Símbolo do Nazismo.

O estado nazista alemão

• Ao tomarem arbitrariamente o poder, os nazistas passaram a controlar a imprensa e transformá-la em divulgadora de interesses do governo, extinguir os demais partidos políticos, e matar, prender ou deportar todos os cidadãos contrários à ideologia nacional-socialista. Economicamente, o Estado foi organizado como uma corporação e a indústria pesada e bélica fomentada pelos recursos públicos. Dessa forma, o Estado Alemão tornou-se um estado repressor dos negros ou qualquer outra raça que não fosse a raça alemã, ou seja, ariana. Já durante a Segunda Guerra Mundial e ainda sob o governo de Hitler, foram criados pelos nazistas, campos de concentração, estes eram responsáveis por matar em câmaras de gás, judeus, ciganos, homossexuais ou simplesmente opositores dos nazistas.

Leia também a 3ª parte deste estudo (CLIQUE AQUI)

Nenhum comentário:

Postar um comentário