5 de outubro de 2011

A Estrutura de uma frase

 Os processos de composição de uma frase se pautam no tipo de período que a compõem, e os elementos que podem constituí-la, ou seja, sujeitos, predicados, adjuntos adnominais, apostos, complementos nominais, objetos diretos, objetos indiretos, agentes da passiva, adjuntos adverbiais, e vocativos.

Período Simples

“Viajei para Pernambuco.” (Um núcleo)

Período Composto

“Viajei para Pernambuco, porém não queria ir.” (Dois núcleos)

“Viajei para Pernambuco, porém não queria ir, e briguei com meus pais.” (Três núcleos)

*Sempre quando se tem mais de um núcleo, tem-se um período composto.

Constituintes simples de uma frase

Sujeito: o tema do que se vai declarar, o ser de quem se declara algo.

Sujeito Simples:Paulo beijou Ana.” (Um sujeito)
Sujeito Composto:Paulo beijou Ana e Ana beijou Paulo.” (Dois sujeitos)
Sujeito Indeterminado:Beijaram Ana” (Quem beijou Ana?)

Predicado: a declaração que se refere ao sujeito, aquilo que se atribui ao sujeito.

Predicado Verbal: “A hora passou.” (Verbo passar)
Predicado Nominal: “Cláudia parece uma flor.” (Substantivo: flor)
Predicado Verbo-nominal: “Luís jogou futebol.” (Substantivo: futebol, Verbo jogar)

*O verbo "parece" no Predicado Nominal funciona apenas como um conector do sujeito ao predicativo.

Constituintes complexos de uma frase

Adjunto adnominal: o termo que determina, especifica ou qualifica o significado de um substantivo.

“O vinho amargo foi servido aos convidados” (Diz-se a qualidade do vinho)
“O amargo vinho foi servido aos convidados” (Diz-se a qualidade do vinho)

Aposto: o termo da frase que se relaciona a um substantivo ou equivalente, com a finalidade de esclarecê-lo, explicá-lo.

“Minas Gerais, terra do pão de queijo, possui mais de 800 municípios.”
“Lula, ex-presidente do país, reside em São Bernardo do Campo no ABC Paulista.”

Complemento nominal: o termo que completa o sentido de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio).

“O carro necessita de gasolina.” (Em que “de” é uma preposição)
“O carro flex precisa de gasolina ou álcool.” (Em que “de” é uma preposição)
“A água é necessária à vida.” (Em que “à” é uma preposição)

Objeto direto: o complemento do verbo transitivo direto.

“Eu comprei uma calça jeans.” (Observe que não há preposição na frase)
“Comeu um saboroso prato.” (Observe que não há preposição na frase)
“Eu o conheci na rodoviária.” (Observe que não há preposição na frase)

*Em raros casos, usa-se preposições em frases diretas.
*Em vários casos, usa-se pronomes em frases diretas. Ex: o, a, os, as.

Objeto indireto: o complemento do verbo transitivo indireto.

“Eu viajei de ônibus.” (Em que “de” é preposição)
“Viajei de avião.” (Em que “de” é preposição)
“Informaram-lhe de forma grossa.” (Em que “de” é uma preposição)

*Em alguns casos, usa-se pronomes em frases indiretas. Ex: lhe, lhes.
*O objeto indireto vem sempre regido por preposição.

Agente da passiva: diz-se do ser que pratica a ação, em frases que apresentam o verbo na voz passiva.

“O Palácio da Liberdade foi tomado pelos estudantes.”
(Verbo “tomar” na voz passiva, e estudantes são o agente da passiva)

“A floresta foi desmatada pela atividade agropecuária.”
(Verbo “desmatar” na voz passiva, e atividade agropecuária é o agente da passiva)

“A manifestação dos professores foi desprezada pelo governo mineiro.”
(Verbo desprezar na voz passiva, e governo mineiro é o agente da passiva)

*Sempre existe preposição em frases que possuem o agente da passiva.

Adjunto adverbial: o termo que indica uma circunstância do verbo, ou ressalta o sentido de um adjetivo, verbo ou de outro advérbio.

“Na segunda, choverá de tarde.” (Em que segunda determina o dia que choverá)
“Ela é muito grossa.” (Em que muito enfatiza o adjetivo “grossa”)
Sexta, iremos à balada.” (Em que sexta determina o dia que se irá à balada)

*O adjunto adverbial geralmente expressa circunstâncias de modo, tempo, lugar, intensidade, negação, etc.

Vocativo: o termo que se relaciona ao substantivo e serve para chamá-lo, evocá-lo, solicitá-lo, interpelá-lo.

Maria, quantos anos você tem?”
“Quantos anos você tem, Maria?”
João, não faça isso!”

"Quando o Português é igual a matemática, e só se aprende, de fato, o praticando"

Observação: pratique formar frases com cada elemento constituinte de uma oração (Sujeito simples, Sujeito composto, Predicado verbal, Predicado nominal, Predicado verbo-nominal, Adjunto adnominal, Adjunto adverbial, Aposto, Objeto direto, Objeto indireto, Vocativo, Agente da passiva e Complemento nominal). Evidentemente, você deverá fazer isso de forma separada para que não se confunda, ou seja, formando uma frase para cada elemento constituinte existente.  Por exemplo, na frase "João, morador de Serra Dourada, ganhou na loteria", João é o sujeito simples, "morador de Serra Dourada" é um aposto e "ganhou na Loteria" é um predicado verbo-nominal. Portanto, recomenda-se fazer as frases por cada tipo de constituinte:

""João, morador de Serra Dourada, ganhou na loteria" (Sujeito Simples)
"João, morador de Serra Dourada, ganhou na loteria" (Aposto)
"João, morador de Serra Dourada, ganhou na loteria" (Predicado Verbo-nominal)

Um comentário: